sábado, 5 de abril de 2014

O DIREITO DE SER SÓ

 J.J. Camargo*
 
Todos nós temos uma tendência incontrolável de sugerir o que deve ser feito em cada circunstância, principalmente quando o sugerido não tem nada a ver conosco. Um dia me surpreendi dando conselhos a um casal de velhos, meus pacientes antigos, que estavam sós, depois que os filhos se afastaram para cuidar de suas próprias vidas, e até as visitas deles passaram a ser marcadas com antecedência, porque as presenças barulhentas eram uma quebra quase dolorosa do ritual de fazer nada o tempo todo, dia após dia.

Achei adequado estimulá-los a mudar a rotina, a sair de casa, a passear na pracinha próxima, a ir ao cinema, essas coisas. E então ouvi a resposta de quem já tinha pensado muito no assunto: “Doutor, nós temos uma vida boa e confortável e a gente só deve mudar o que não funciona bem, e este não é o caso. Nós gostamos até do nosso silêncio”.

Uns tempos depois ela morreu, e os quatro filhos organizaram uma força-tarefa para que o pai fosse viver com eles, em revezamento. Aos olhos deles, não fazia nenhum sentido ele sozinho naquela casa enorme. Os argumentos eram razoáveis, “ele estaria sempre aos cuidados de um dos filhos, que apesar de aparecerem pouco, estavam sempre pensando nele”. Sei.

Além disso, na idade dele, “era sempre bom ter alguém por perto, para essas emergências que, Deus nos livre, não escolhem hora”. O velhinho tentou argumentar que morava a menos de uma quadra da emergência de um grande hospital e foi fuzilado pela pergunta da nora autoritária: “Então o senhor prefere ser atendido por estranhos? Francamente!”.

De nada serviu afirmar que preferia não incomodá-los porque eles tinham as próprias rotinas, e ele mesmo estava acostumado com horários de sono que não combinavam com os deles. Mentiu dizendo que deitava às 20h e acordava às 5h, com ideia de alarmá-los, mas todos tinham casas com quartos de hóspedes que lhe assegurariam uma independência de Robinson Crusoé. Então, “chega de discussão e trate de arrumar as malas”.

Com as desculpas escasseando, assegurou que o simples áudio do Domingão lhe aumentava a glicose, e que uma vez tivera uma febre inexplicável depois de assistir a um único episódio do Big Brother. Nada feito, ele teria a sua própria TV e poderia assistir ao que quisesse.

Desesperado, apelou para a música clássica que sempre fora a paixão dele e da mulher e que, agora, com a surdez da idade, se obrigava a ouvir num tom que incomodaria a todos e, especialmente, aos mais jovens. Também não funcionou.

Então, exauridos os pretextos e em pânico pela possibilidade de abandonar aquela casa que teria vergonha de confessar, amava mais do que a alguns dos seus parentes queridos, abriu os braços na imensa biblioteca e declarou solenemente: “Só saio da minha casa se puder levar todos os meus livros!”.

Houve uma troca de olhares intrigados, e começou a debandada, liderada pelas noras. “Impossível dialogar com um velho desses! Que coisa triste a caduquice!” Depois que o último carro dobrou a esquina, ele fechou as cortinas e, aliviado, passou o ferrolho na porta. Serviu um cálice de Amarula, se recostou na poltrona de couro e aumentou o volume para que Puccini enchesse a sala. Muito lhe faltava a Lucila, mas com os olhos fechados, Nessun Dorma era uma companhia prodigiosa.

ENQUANTO ISSO, NA ACADEMIA...

J.J. Camargo é presidente da Academia Sul-rio-grandense de Medicina (ASRM) e, mensalmente, apresenta resumo da reunião neste espaço

Na reabertura das atividades do ano de 2014, a Academia Sul-riograndense de Medicina recebeu como conferencista convidado o Professor Emérito de Neurologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Sergio Augusto Pereira Novis, uma celebridade internacional na sua área. O tema selecionado foi medicina, ciência e arte. A apresentação encantou uma plateia enriquecida pela presença de um grande número de estudantes de Medicina, ávidos pelas lições de sabedoria de um mestre sempre direcionado ao que chama, muito adequadamente, de medicina da pessoa. Alguns tópicos relevantes desse esforço para recuperar o velho glamour da profissão médica, tão vilipendiada em tempos modernos, foram passados aos médicos em formação que têm, segundo o professor, a responsabilidades desse resgate. Veja:

u “Tratem as pessoas doentes, não apenas a doença das pessoas.”

u “Seres humanos são biográficos. Seres humanos adoecem, vivendo sua doença e as circunstâncias de sua instalação.”

u “A doença não é algo que vem de fora, não é um corpo estranho e, sim, um modo de ser, expressando-se em circunstâncias adversas. Assim como a pessoa tem um modo de ser, também possui um modo de adoecer único.”

u “Um médico não precisa ser um psicólogo ou um filósofo. Mas necessita, e muito, de instrumentos destas e outras áreas do saber que lhe possibilitem, quando necessário, a escuta do não dito ou do interdito, através dos sintomas.”

u “O médico precisa ser amigo do doente: ninguém conta seus segredos e preocupações a quem não confia.”

u “Das diferenças de comportamento: ‘Eu estou doente’ (doença aguda) e ‘Eu sou doente’ (doença crônica).”

u “Sente-se para falar com o paciente. O tempo é um dos maiores diagnosticadores. Use-o! Você é o advogado do paciente, não trabalhe para mais ninguém.”

u “O progresso das ciências médicas não significa necessariamente o progresso da medicina. O progresso da medicina vem pela sabedoria de utilização do progresso das ciências médicas.” As reuniões da Academia ocorrem sempre às 10h do último sábado do mês, na sede do Conselho Regional de Medicina (Avenida Princesa Isabel). São abertas ao público
--------------
*Médico.
Fonte: ZH online, 05/04/2014

Um comentário:

  1. Maravilhoso texto! Parabéns! Este médico é de outro mundo !

    ResponderExcluir